Violência doméstica diminui no Huambo

Huambo - Quarenta e sete pessoas, incluindo crianças, foram vítimas de violência doméstica nos primeiros três meses deste ano, na província do Huambo, menos 11 em comparação ao idêntico período anterior, soube a ANGOP hoje, segunda-feira.

A informação foi avançada pelo director em exercício do Gabinete local da Acção Social, Família e Igualdade do Género, Albino Lumingo, à margem do acto de abertura da jornada da família, a decorrer até ao final deste mês, sob lema “ Famílias emponderadas face à pandemia da Covid-19, maior harmonia e coesão social”.

O responsável referiu que das 47 vítimas registadas, 18 estão relacionados com a fuga à paternidade, cometidos, na sua maioria, por progenitores residentes nos municípios do Huambo, Caála, Bailundo e Londuimbali.

Acrescentou que as demais pessoas foram vítimas de agressões físicas, verbais, sexuais, entre outras formas de violência.

Noutra parte das suas declarações, Albino Lumingo referiu que as jornadas decorrem em alusão ao 15 de Maio, Dia Internacional da Família, com objectivo de reforçar as acções de sensibilização para o combate da violência doméstica e, ao mesmo tempo, destacar o papel da família na formação de uma sociedade sã.

Por esta razão, conforme o responsável, prevê-se a realização de conselhos municipais da família, com abordagem de temas como “As consequências da violência no contexto familiar à luz do novo Código Penal”, “Responsabilidade moral, cívico e ética de cada cidadão no seu núcleo social” e “Promoção e resgate dos valores morais, cívicos, ético, culturais e patrióticos”.

Constam ainda a realização da 19ª sessão do conselho provincial da família, isto no município da Caála, que será marcado com a reconstituição da Rede de Pais Pro-mudança.

A efeméride, instituída pela Assembleia-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), visa, entre outros objectivos, destacar a importância da família na estrutura do núcleo familiar e o seu relevo na base da educação infantil, reforçar a mensagem de união, amor, respeito e compreensão necessárias para o bom relacionamento de todos os elementos que compõem a família.

Inclui ainda chamar a atenção da população para a importância da família como núcleo vital da sociedade e para seus direitos e responsabilidades, além de sensibilizar e promover o conhecimento relacionado com as questões sociais, económicas e demográficas que afectam a família.

A informação foi avançada pelo director em exercício do Gabinete local da Acção Social, Família e Igualdade do Género, Albino Lumingo, à margem do acto de abertura da jornada da família, a decorrer até ao final deste mês, sob lema “ Famílias emponderadas face à pandemia da Covid-19, maior harmonia e coesão social”.

O responsável referiu que das 47 vítimas registadas, 18 estão relacionados com a fuga à paternidade, cometidos, na sua maioria, por progenitores residentes nos municípios do Huambo, Caála, Bailundo e Londuimbali.

Acrescentou que as demais pessoas foram vítimas de agressões físicas, verbais, sexuais, entre outras formas de violência.

Noutra parte das suas declarações, Albino Lumingo referiu que as jornadas decorrem em alusão ao 15 de Maio, Dia Internacional da Família, com objectivo de reforçar as acções de sensibilização para o combate da violência doméstica e, ao mesmo tempo, destacar o papel da família na formação de uma sociedade sã.

Por esta razão, conforme o responsável, prevê-se a realização de conselhos municipais da família, com abordagem de temas como “As consequências da violência no contexto familiar à luz do novo Código Penal”, “Responsabilidade moral, cívico e ética de cada cidadão no seu núcleo social” e “Promoção e resgate dos valores morais, cívicos, ético, culturais e patrióticos”.

Constam ainda a realização da 19ª sessão do conselho provincial da família, isto no município da Caála, que será marcado com a reconstituição da Rede de Pais Pro-mudança.

A efeméride, instituída pela Assembleia-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), visa, entre outros objectivos, destacar a importância da família na estrutura do núcleo familiar e o seu relevo na base da educação infantil, reforçar a mensagem de união, amor, respeito e compreensão necessárias para o bom relacionamento de todos os elementos que compõem a família.

Inclui ainda chamar a atenção da população para a importância da família como núcleo vital da sociedade e para seus direitos e responsabilidades, além de sensibilizar e promover o conhecimento relacionado com as questões sociais, económicas e demográficas que afectam a família.