Camponeses preocupados com assaltos em lavras

Mbanza Kongo - Os camponeses do município de Mbanza Kongo, província do Zaire, manifestaram, nesta terça-feira, a sua preocupação com os constantes assaltos em lavras praticados por indivíduos desconhecidos.

Em declarações à Angop, os camponeses disseram que os meliantes furtam principalmente produtos como mandioca, abacaxi, safú, jinguba e feijão, sendo que as acções acontecem geralmente aos domingos.

A camponesa Graça Lukau, que desenvolve a sua actividade agrícola na localidade do Lambu, informou que os marginais usam motorizadas de três rodas para o transporte da mercadoria.

Segundo a camponesa, os produtos são comercializados no mercado das 15 Casas, periferia da cidade de Mbanza Kongo.

Apelou ao efectivo da Polícia Nacional no sentido de aumentar o patrulhamento e outras acções de combate ao furto de produtos do campo, caso contrário poderá haver penúria alimentar na região.

Graça Lukau calculou que os ladrões saqueiam, em menos de uma semana, lavras com cerca de dois hectares.

Por sua vez, o lavrador Pedro Abreu fez saber os assaltantes praticam as suas acções munidos de facas e catanas para intimidar os proprietários das plantações.

“É frustrante que depois de tanto trabalho a preparar a terra e fazer a plantação, aparecer na fase da colheita indivíduos que se apoderam dos bens alheios”, salientou.

Madalena dos Santos, camponesa na localidade do Lukola, revelou que naquela zona de cultivo os marginais chegam mesmo a estabelecer horário para os agricultores abandonarem as lavras, para praticarem as suas acções.

“Estamos preocupados com esta situação que ameaça a segurança alimentar das famílias camponesas no nosso município”, sublinhou.

Por seu turno, o porta-voz do Comando Provincial da Polícia Nacional do Zaire, inspector-chefe Luís Bernardo, lembrou que a corporação tem realizado acções de combate e de desencorajamento de assaltos a lavras.

Destas acções, precisou, têm resultado na detenção em flagrante delito de supostos marginais, como aconteceu nos últimos cinco dias com um indivíduo.

Pediu à população, em particular aos camponeses, para continuarem a colaborar com as autoridades policiais, denunciando os eventuais meliantes ou as suas acções, para se prender os ladrões e se acabar com esse tipo de prática.

O município de Mbanza Kongo é potencialmente agrícola, sendo a jinguba, feijão, batata-doce, mandioca, banana, milho, gergelim, abacaxi, abóbora e citrinos, os produtos mais cultivados na circunscrição.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em declarações à Angop, os camponeses disseram que os meliantes furtam principalmente produtos como mandioca, abacaxi, safú, jinguba e feijão, sendo que as acções acontecem geralmente aos domingos.

A camponesa Graça Lukau, que desenvolve a sua actividade agrícola na localidade do Lambu, informou que os marginais usam motorizadas de três rodas para o transporte da mercadoria.

Segundo a camponesa, os produtos são comercializados no mercado das 15 Casas, periferia da cidade de Mbanza Kongo.

Apelou ao efectivo da Polícia Nacional no sentido de aumentar o patrulhamento e outras acções de combate ao furto de produtos do campo, caso contrário poderá haver penúria alimentar na região.

Graça Lukau calculou que os ladrões saqueiam, em menos de uma semana, lavras com cerca de dois hectares.

Por sua vez, o lavrador Pedro Abreu fez saber os assaltantes praticam as suas acções munidos de facas e catanas para intimidar os proprietários das plantações.

“É frustrante que depois de tanto trabalho a preparar a terra e fazer a plantação, aparecer na fase da colheita indivíduos que se apoderam dos bens alheios”, salientou.

Madalena dos Santos, camponesa na localidade do Lukola, revelou que naquela zona de cultivo os marginais chegam mesmo a estabelecer horário para os agricultores abandonarem as lavras, para praticarem as suas acções.

“Estamos preocupados com esta situação que ameaça a segurança alimentar das famílias camponesas no nosso município”, sublinhou.

Por seu turno, o porta-voz do Comando Provincial da Polícia Nacional do Zaire, inspector-chefe Luís Bernardo, lembrou que a corporação tem realizado acções de combate e de desencorajamento de assaltos a lavras.

Destas acções, precisou, têm resultado na detenção em flagrante delito de supostos marginais, como aconteceu nos últimos cinco dias com um indivíduo.

Pediu à população, em particular aos camponeses, para continuarem a colaborar com as autoridades policiais, denunciando os eventuais meliantes ou as suas acções, para se prender os ladrões e se acabar com esse tipo de prática.

O município de Mbanza Kongo é potencialmente agrícola, sendo a jinguba, feijão, batata-doce, mandioca, banana, milho, gergelim, abacaxi, abóbora e citrinos, os produtos mais cultivados na circunscrição.