Falta de centro de emissão de cartas de condução inquieta utentes

Mbanza Kongo – Utentes da província do Zaire manifestam-se descontentes com os constrangimentos criados pela falta de um centro de emissão de cartas de condução e outros documentos de viaturas.

Devido a inexistência de um centro de emissão, os utentes, muitas vezes, são forçados a se deslocar a outros pontos do país para obterem esses documentos.

Entrevistados pela ANGOP, nesta quinta-feira, afirmam que a inexistência desses serviços no Zaire dificulta o processo e pedem as autoridades competentes para a abertura de um centro de emissão de cartas de condução na região.

O taxista João Cardoso considera desconfortante exercer a profissão com verbete provisório, documento que requer muitos cuidados em termos de conservação, devido a sua fragilidade.

O utente disse estar a circular com verbete há mais de dois anos, altura em que a Direcção Provincial da Viação e Trânsito deixou de emitir as cartas de condução do antigo modelo (vermelhas).

“Queremos um centro de emissão de cartas de condução válidas na Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) aqui na nossa província, tal como acontece em outras regiões do país”, expressou.

Para Eduardo Sozinho, por falta desses serviços na região muitos utentes têm se deslocado para as províncias do Bengo e Luanda para tratarem cartas de condução.

Considerou ser um processo difícil e dispendioso, pois nem sempre as cartas de condução são entregues na hora, o que obriga ao requerente a aguardar por muitos dias.

“É a única alternativa que estamos a encontrar para termos a carta de condução. Porque, na verdade, exercer a actividade de táxi com verbete cria-nos muitos constrangimentos às autoridades policiais”, acentuou.

Sérgio Armando disse não entender o porque de a província do Zaire não dispor de um centro de emissão de cartas de condução para facilitar a vida dos utentes de meios de transportes.

“É cansativo e desconfortante, que depois de alguns meses manda-se de novo averbar o verbete, por terminar o prazo de validade. Além disso, o verbete estraga-se facilmente quando passa de mão em mão”, desabafou.

Fonte da Direcção Provincial da Viação e Trânsito contactada pela ANGOP disse que já existe um edifício onde vai funcionar o centro de emissão de cartas de condução, aguardando apenas pelos equipamentos informáticos e outro material indispensável.

Acrescentou que o órgão central espera instalar em Mbanza Kongo e no Soyo uma tecnologia de ponta para a emissão de cartas de condução da SADC, que vai funcionar em sistema online.

 

 

Devido a inexistência de um centro de emissão, os utentes, muitas vezes, são forçados a se deslocar a outros pontos do país para obterem esses documentos.

Entrevistados pela ANGOP, nesta quinta-feira, afirmam que a inexistência desses serviços no Zaire dificulta o processo e pedem as autoridades competentes para a abertura de um centro de emissão de cartas de condução na região.

O taxista João Cardoso considera desconfortante exercer a profissão com verbete provisório, documento que requer muitos cuidados em termos de conservação, devido a sua fragilidade.

O utente disse estar a circular com verbete há mais de dois anos, altura em que a Direcção Provincial da Viação e Trânsito deixou de emitir as cartas de condução do antigo modelo (vermelhas).

“Queremos um centro de emissão de cartas de condução válidas na Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) aqui na nossa província, tal como acontece em outras regiões do país”, expressou.

Para Eduardo Sozinho, por falta desses serviços na região muitos utentes têm se deslocado para as províncias do Bengo e Luanda para tratarem cartas de condução.

Considerou ser um processo difícil e dispendioso, pois nem sempre as cartas de condução são entregues na hora, o que obriga ao requerente a aguardar por muitos dias.

“É a única alternativa que estamos a encontrar para termos a carta de condução. Porque, na verdade, exercer a actividade de táxi com verbete cria-nos muitos constrangimentos às autoridades policiais”, acentuou.

Sérgio Armando disse não entender o porque de a província do Zaire não dispor de um centro de emissão de cartas de condução para facilitar a vida dos utentes de meios de transportes.

“É cansativo e desconfortante, que depois de alguns meses manda-se de novo averbar o verbete, por terminar o prazo de validade. Além disso, o verbete estraga-se facilmente quando passa de mão em mão”, desabafou.

Fonte da Direcção Provincial da Viação e Trânsito contactada pela ANGOP disse que já existe um edifício onde vai funcionar o centro de emissão de cartas de condução, aguardando apenas pelos equipamentos informáticos e outro material indispensável.

Acrescentou que o órgão central espera instalar em Mbanza Kongo e no Soyo uma tecnologia de ponta para a emissão de cartas de condução da SADC, que vai funcionar em sistema online.