Jornalistas no Zaire recebem carteiras profissionais

Mbanza Kongo – Quarenta e cinco jornalistas de órgãos públicos foram acreditados, nesta terça-feira, com a entrega de carteiras profissionais pela Comissão de Carteira e Ética.

A entrega deste documento foi feita pela presidente da Comissão de Carteira e Ética, Luísa Rogério, em acto testemunhado pelo governador provincial, Pedro Makita Armando Júlia.

Receberam o documento, jornalistas da ANGOP, TPA, Rádio Nacional de Angola (RNA) e do Jornal de Angola.

O Zaire é a terceira província a receber a Comissão de Carteira e Ética para a outorga das carteiras profissionais aos jornalistas, depois do Bié e Malanje.

Ao intervir no acto, Luísa Rogério lembrou, na ocasião, que o exercício de um bom jornalismo resulta, sempre, do equilíbrio que deve existir entre direitos e deveres, salvaguardados na Lei de Imprensa.

Informar com rigor, objectividade e isenção, respeitando os limites à liberdade de imprensa são os ditames que a responsável quer ver respeitados à risca pelos profissionais do sector.

A Comissão da Carteira e Ética, eleita a 26 de Outubro de 2019, tem por incumbência renovar, suspender ou cassar, nos termos da lei, a carteira profissional, bem como apreciar, julgar ou sancionar a violação da legislação.

Jornalistas destacam atribuição da carteira

Jornalistas afirmaram que a atribuição da carteira profissional significa mais responsabilidade no exercício da actividade.

Para a directora da Emissora Regional do Soyo da Rádio Nacional de Angola (RNA), São Arriaga, a atribuição da carteira profissional representa mais-valia, enquanto profissional do sector da Comunicação Social na província.

“É um documento que me habilita a exercer a profissão jornalística com mais responsabilidade e respeito aos princípios éticos e deontológicos, acima de tudo”, precisou.

Para a jornalista e directora da Rádio Zaire, Celeste Londa, com a carteira profissional cresce também a responsabilidade no tratamento e divulgação dos factos informativos.

A jornalista da Edições Novembro, Kayila Silvina, sente-se regozijada por receber a sua carteira profissional e pede aos demais colegas para pautarem por um jornalismo assente nos princípios éticos e deontológicos.

 

A entrega deste documento foi feita pela presidente da Comissão de Carteira e Ética, Luísa Rogério, em acto testemunhado pelo governador provincial, Pedro Makita Armando Júlia.

Receberam o documento, jornalistas da ANGOP, TPA, Rádio Nacional de Angola (RNA) e do Jornal de Angola.

O Zaire é a terceira província a receber a Comissão de Carteira e Ética para a outorga das carteiras profissionais aos jornalistas, depois do Bié e Malanje.

Ao intervir no acto, Luísa Rogério lembrou, na ocasião, que o exercício de um bom jornalismo resulta, sempre, do equilíbrio que deve existir entre direitos e deveres, salvaguardados na Lei de Imprensa.

Informar com rigor, objectividade e isenção, respeitando os limites à liberdade de imprensa são os ditames que a responsável quer ver respeitados à risca pelos profissionais do sector.

A Comissão da Carteira e Ética, eleita a 26 de Outubro de 2019, tem por incumbência renovar, suspender ou cassar, nos termos da lei, a carteira profissional, bem como apreciar, julgar ou sancionar a violação da legislação.

Jornalistas destacam atribuição da carteira

Jornalistas afirmaram que a atribuição da carteira profissional significa mais responsabilidade no exercício da actividade.

Para a directora da Emissora Regional do Soyo da Rádio Nacional de Angola (RNA), São Arriaga, a atribuição da carteira profissional representa mais-valia, enquanto profissional do sector da Comunicação Social na província.

“É um documento que me habilita a exercer a profissão jornalística com mais responsabilidade e respeito aos princípios éticos e deontológicos, acima de tudo”, precisou.

Para a jornalista e directora da Rádio Zaire, Celeste Londa, com a carteira profissional cresce também a responsabilidade no tratamento e divulgação dos factos informativos.

A jornalista da Edições Novembro, Kayila Silvina, sente-se regozijada por receber a sua carteira profissional e pede aos demais colegas para pautarem por um jornalismo assente nos princípios éticos e deontológicos.