Responsável pede reforço de acções para moralização das famílias

Mbanza Kongo- O administrador de Mbanza Kongo, província do Zaire, Manuel Nsiansoki Gomes, apelou hoje, quarta-feira, a conjugação de esforços para o resgate dos valores morais e cívicos das famílias no município.

O responsável, que discursava na abertura do Conselho local da Família, pediu mais diálogo no seio das famílias e acções de resgate dos valores morais e cívicos por parte dos órgãos afins da administração local, em parceria com outros organismos estatais e da sociedade civil.

Recordou o papel basilar da família para a estruturação de uma sociedade sã e harmoniosa, insistindo para que este núcleo assuma a sua responsabilidade na educação e transmissão dos bons valores e costumes aos seus membros.

Destacou, na altura, o modelo de família tradicional africana, realçando a sua principal matriz, baseada na solidariedade entre os elementos da comunidade.

Manifestou preocupação pela persistência do fenómeno da fuga à paternidade e maternidade e das gravidezes precoces na localidade, que registou, no primeiro trimestre deste ano, 44 e 61 casos, respectivamente.

O consumo excessivo de bebidas alcoólicas, uso de drogas, o desrespeito entre pais e filhos e pelas regras de convivência social, a violação sexual também foram referenciados pelo administrador como males que ainda enfermam a sociedade local.

Por sua vez, o director municipal da Acção Social, Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, António Soares Ranço, disse, à ANGOP, que o Conselho da Família vai eleger quatro delegados para o Conselho Provincial, previsto para Maio próximo.

Participam no encontro, que está a reflectir sobre os problemas que afectam as famílias locais e traçar possíveis estratégias para a sua solução, membros da administração local, sociedade civil, de defesa, segurança e ordem interna, alunos e professores, entre outros convidados.

A actividade, que encerra ainda hoje, enquadra-se na jornada da família referente a 2021, e culminará com a celebração do Dia Internacional da Família, a assinalar-se a 15 de Maio.
 

O responsável, que discursava na abertura do Conselho local da Família, pediu mais diálogo no seio das famílias e acções de resgate dos valores morais e cívicos por parte dos órgãos afins da administração local, em parceria com outros organismos estatais e da sociedade civil.

Recordou o papel basilar da família para a estruturação de uma sociedade sã e harmoniosa, insistindo para que este núcleo assuma a sua responsabilidade na educação e transmissão dos bons valores e costumes aos seus membros.

Destacou, na altura, o modelo de família tradicional africana, realçando a sua principal matriz, baseada na solidariedade entre os elementos da comunidade.

Manifestou preocupação pela persistência do fenómeno da fuga à paternidade e maternidade e das gravidezes precoces na localidade, que registou, no primeiro trimestre deste ano, 44 e 61 casos, respectivamente.

O consumo excessivo de bebidas alcoólicas, uso de drogas, o desrespeito entre pais e filhos e pelas regras de convivência social, a violação sexual também foram referenciados pelo administrador como males que ainda enfermam a sociedade local.

Por sua vez, o director municipal da Acção Social, Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, António Soares Ranço, disse, à ANGOP, que o Conselho da Família vai eleger quatro delegados para o Conselho Provincial, previsto para Maio próximo.

Participam no encontro, que está a reflectir sobre os problemas que afectam as famílias locais e traçar possíveis estratégias para a sua solução, membros da administração local, sociedade civil, de defesa, segurança e ordem interna, alunos e professores, entre outros convidados.

A actividade, que encerra ainda hoje, enquadra-se na jornada da família referente a 2021, e culminará com a celebração do Dia Internacional da Família, a assinalar-se a 15 de Maio.