Angola e Japão assinam acordo para expansão de televisão digital

 
  
  • Assinatura de acordo de cooperação entre a Embaixada do Japão e o Ministério das Telecomunicações e Tecnologia de Informação e Comunicação Social
Luanda – Angola e o Japão assinaram nesta sexta-feira, em Luanda, um acordo técnico para a implementação do processo de migração para a televisão digital terrestre (TDT) no país.

O acordo, com duração de dois anos, consiste no desenvolvimento do plano director, incluindo um cronograma de migração para os novos serviços como transmissão multimédia, aquisição de equipamentos de transmissão, entre outros serviços.

No âmbito do acordo, a parte japonesa garante apoio técnico, formação de quadros, dentro e fora do país, além do envio de equipamentos tecnológicos para a implementação do processo em Angola.

O compromisso surge numa altura em que Angola perspectiva ter em todo território nacional, a partir de 2023, televisão digital terrestre, no quadro da modernização do sector das telecomunicações, tecnologias de informação e comunicação social.

Numa primeira fase, prevê-se a aplicação de 350 mil Euros/ano no projecto piloto, nas províncias de Luanda, Malanje e Cabinda.

A propósito do acordo, o ministro das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social, Manuel Homem, disse que, com a TDT, o país terá facilidade de transmissão de conteúdos, de implementação do programas de educação à distância.

O governante realçou a  adopção da norma nipónico-brasileira de TDT, permitindo aos técnicos trabalhar para a concretizar de forma prática da implementação do projecto.

Já o embaixador do Japão em Angola, Jiro Maruhashi, ressaltou que o governo do seu país congratula-se por Angola ter adoptado o método japonês, garantindo trabalhar em conjunto para apoiar a migração, formação digital da televisão terrestre em Angola.

Anunciou a formulação de um plano, através de levantamentos e estudos necessários da situação actual, para dar passos seguros e garantidos, com particular realce para a partilha de conhecimento, formação de recursos humanos, por ser as características e pontos fortes da cooperação.

Com a fase piloto já se pode assistir a TPA 1 e 2 gratuitamente, em Luanda, directamente de algumas boxes distribuídas, sendo que decorrem acções para a inserção da TV Zimbo e outros canais para fornecer um melhor serviço a população.

A TDT vai funcionar com antena normal, boxes ou descodificadores de tv digital que deverão receber o sinal livremente, uma vez que os sites que farão a distribuição aos transmissores estarão interligados por fibra óptica.

A TDT, também chamada em alguns países da América Televisão Digital Aberta (TDA), é uma tecnologia para a televisão terrestre em que uma rede de repetidores terrestres transmite o sinal e televisão por ondas de rádio, num formato digital.

O acordo, com duração de dois anos, consiste no desenvolvimento do plano director, incluindo um cronograma de migração para os novos serviços como transmissão multimédia, aquisição de equipamentos de transmissão, entre outros serviços.

No âmbito do acordo, a parte japonesa garante apoio técnico, formação de quadros, dentro e fora do país, além do envio de equipamentos tecnológicos para a implementação do processo em Angola.

O compromisso surge numa altura em que Angola perspectiva ter em todo território nacional, a partir de 2023, televisão digital terrestre, no quadro da modernização do sector das telecomunicações, tecnologias de informação e comunicação social.

Numa primeira fase, prevê-se a aplicação de 350 mil Euros/ano no projecto piloto, nas províncias de Luanda, Malanje e Cabinda.

A propósito do acordo, o ministro das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social, Manuel Homem, disse que, com a TDT, o país terá facilidade de transmissão de conteúdos, de implementação do programas de educação à distância.

O governante realçou a  adopção da norma nipónico-brasileira de TDT, permitindo aos técnicos trabalhar para a concretizar de forma prática da implementação do projecto.

Já o embaixador do Japão em Angola, Jiro Maruhashi, ressaltou que o governo do seu país congratula-se por Angola ter adoptado o método japonês, garantindo trabalhar em conjunto para apoiar a migração, formação digital da televisão terrestre em Angola.

Anunciou a formulação de um plano, através de levantamentos e estudos necessários da situação actual, para dar passos seguros e garantidos, com particular realce para a partilha de conhecimento, formação de recursos humanos, por ser as características e pontos fortes da cooperação.

Com a fase piloto já se pode assistir a TPA 1 e 2 gratuitamente, em Luanda, directamente de algumas boxes distribuídas, sendo que decorrem acções para a inserção da TV Zimbo e outros canais para fornecer um melhor serviço a população.

A TDT vai funcionar com antena normal, boxes ou descodificadores de tv digital que deverão receber o sinal livremente, uma vez que os sites que farão a distribuição aos transmissores estarão interligados por fibra óptica.

A TDT, também chamada em alguns países da América Televisão Digital Aberta (TDA), é uma tecnologia para a televisão terrestre em que uma rede de repetidores terrestres transmite o sinal e televisão por ondas de rádio, num formato digital.