Escassez de combustível reduz serviço de táxi no Cunene

  • Bombas de combustíveis da Sonangol disponibilizam gasóleo e gasolina
Ondjiva – O serviço de táxi na cidade de Ondjiva, capital da província do Cunene, reduziu nas últimas duas semanas, devido a escassez de gasolina, constatou hoje, quarta-feira, à Angop.

Em função da situação, verifica-se grandes filas de espera nos postos de abastecimentos, por parte dos automobilistas e motociclistas, sobretudo os que exercem a actividade de táxi, criando constrangimentos na circulação de pessoas.

Mesmo com a escassez da gasolina, o preço do táxi na cidade de Ondjiva mantém-se nos 150 kwanzas para os automobilistas, enquanto os motociclistas variam entre 150 a 200 kwanzas.

Em declaração à Angop, o taxista, António Viemba, explicou que nos últimos dias tem sido difícil abastecer com regularidade a sua viatura, o que acaba por reduzir o serviço do táxi.

Eduardo Mota, também automobilista, disse que a situação está afectar o normal funcionamento do serviço de táxi, numa altura em que os pontos de paragem registam aglomerado de pessoas.

César Sebastião motociclista, pediu as autoridades competentes a reverem a situação muito constrangedora para os proprietários das viaturas e os passageiros.

A cidade de Ondjiva possui três bombas de abastecimento de combustível,

Os gerentes das referidas bombas (Sonangol e Pumangol) contactados pela Angop mostraram-se indisponíveis em prestar declarações, por alegada falta de autorização superior.

O Gabinete Provincial dos Transportes e Morbilidade Urbana, no Cunene, controla 700 táxis, que exercem a actividade de forma legal.

 

Em função da situação, verifica-se grandes filas de espera nos postos de abastecimentos, por parte dos automobilistas e motociclistas, sobretudo os que exercem a actividade de táxi, criando constrangimentos na circulação de pessoas.

Mesmo com a escassez da gasolina, o preço do táxi na cidade de Ondjiva mantém-se nos 150 kwanzas para os automobilistas, enquanto os motociclistas variam entre 150 a 200 kwanzas.

Em declaração à Angop, o taxista, António Viemba, explicou que nos últimos dias tem sido difícil abastecer com regularidade a sua viatura, o que acaba por reduzir o serviço do táxi.

Eduardo Mota, também automobilista, disse que a situação está afectar o normal funcionamento do serviço de táxi, numa altura em que os pontos de paragem registam aglomerado de pessoas.

César Sebastião motociclista, pediu as autoridades competentes a reverem a situação muito constrangedora para os proprietários das viaturas e os passageiros.

A cidade de Ondjiva possui três bombas de abastecimento de combustível,

Os gerentes das referidas bombas (Sonangol e Pumangol) contactados pela Angop mostraram-se indisponíveis em prestar declarações, por alegada falta de autorização superior.

O Gabinete Provincial dos Transportes e Morbilidade Urbana, no Cunene, controla 700 táxis, que exercem a actividade de forma legal.