Mintrans com foco na melhoria dos negócios do sector

  • Angola precisa explorar outros sistemas de transportes para ligar pessoas, regiões e países
Luanda - O ministro dos Transportes, Ricardo de D'Abreu, apontou nesta terça-feira as principais expectativas do sector para 2021, com foco na melhoria do desempenho e fortalecimento dos negócios do sector.

Ricardo D'Abreu, que recebeu os cumprimentos de fim de ano dos seus funcionários e colaboradores, por vídeo-conferência, destacou as acções de transformação da TAAG-Linha Aéreas de Angola em sociedade anónima e a promoção de um melhor "customer service" e "customer experience", na companhia de bandeira.

Customer Service é a área da empresa dedicada exclusivamente às reclamações do cliente, enquanto Customer Experience tem a ver com a forma como o consumidor vai se lembrar da sua marca.

Para o titular, o foco em 2021 deverá continuar a ser o de um ministério que tem por missão propor a formulação, condução, execução e controlo da política do Executivo no domínio dos Transportes, baseados nos valores de rigor, responsabilidade e disciplina, transparência e isenção, competência e qualidade. Estes valores podem, para o ministro, buscar pela contínua excelência e a valorização dos colaboradores e da sua qualidade de vida.

Esta acção, segundo o titular da pasta, está associada à garantia de uma melhor capacidade operacional e eficiência, alicerçada na cisão Enana, em ENNA - EP e em SGA - SA.

Para o subsector ferroviário, Ricardo de D'Abreu reconhece os esforços na expansão da rede dos caminhos-de-ferro e o desenvolvimento do modelo de concessão e exploração do transporte ferroviário, com prioridade para as mercadorias, estando já na forja a intervenção de entidades privadas.

O governante estendeu, de igual modo, a sua solidariedade ao subsector dos transportes rodoviários, que no seu entender são os responsáveis e profissionais que ajudam na diminuição dos índices de sinistralidade, implementando, progressivamente, o quadro normativo do Sistema Regulamentar Harmonizado de Transportes Rodoviários (TTTFP).

" Estes, prosseguiu, estão também a apoiar a transferência da gestão e administração do transporte colectivo urbano para a tutela dos governos provinciais. Para o subsector marítimo-portuário, disse, celebra-se os trabalhos de reabilitação contínua nas infra-estruturas de apoio à actividade marítima e portuária, bem como o processo de relançamento da cabotagem norte.

 Nesta senda, destaca a realização do concurso Internacional para a Concessão do Terminal Multiusos do Porto de Luanda que, para além de um encaixe financeiro considerável, vai permitir a entrada de um operador de dimensão e renome internacionais.

Enquanto isso, este ano, a Rede Nacional de Plataformas Logísticas viu aprovados os instrumentos jurídicos para o nascimento de jure e de facto da Agência Reguladora de Certificação de Carga e Logística de Angola (ARCCLA).

 "O Ano que agora finda, reforça a ideia que somente juntos e unidos, imbuídos num espírito de colectivo, conseguimos alcançar outros patamares que visivelmente contribuam para o bem comum", admitiu. Neste encontro foram apresentadas as linhas orientadoras do sector de 2020 para 2022.

Ricardo D'Abreu, que recebeu os cumprimentos de fim de ano dos seus funcionários e colaboradores, por vídeo-conferência, destacou as acções de transformação da TAAG-Linha Aéreas de Angola em sociedade anónima e a promoção de um melhor "customer service" e "customer experience", na companhia de bandeira.

Customer Service é a área da empresa dedicada exclusivamente às reclamações do cliente, enquanto Customer Experience tem a ver com a forma como o consumidor vai se lembrar da sua marca.

Para o titular, o foco em 2021 deverá continuar a ser o de um ministério que tem por missão propor a formulação, condução, execução e controlo da política do Executivo no domínio dos Transportes, baseados nos valores de rigor, responsabilidade e disciplina, transparência e isenção, competência e qualidade. Estes valores podem, para o ministro, buscar pela contínua excelência e a valorização dos colaboradores e da sua qualidade de vida.

Esta acção, segundo o titular da pasta, está associada à garantia de uma melhor capacidade operacional e eficiência, alicerçada na cisão Enana, em ENNA - EP e em SGA - SA.

Para o subsector ferroviário, Ricardo de D'Abreu reconhece os esforços na expansão da rede dos caminhos-de-ferro e o desenvolvimento do modelo de concessão e exploração do transporte ferroviário, com prioridade para as mercadorias, estando já na forja a intervenção de entidades privadas.

O governante estendeu, de igual modo, a sua solidariedade ao subsector dos transportes rodoviários, que no seu entender são os responsáveis e profissionais que ajudam na diminuição dos índices de sinistralidade, implementando, progressivamente, o quadro normativo do Sistema Regulamentar Harmonizado de Transportes Rodoviários (TTTFP).

" Estes, prosseguiu, estão também a apoiar a transferência da gestão e administração do transporte colectivo urbano para a tutela dos governos provinciais. Para o subsector marítimo-portuário, disse, celebra-se os trabalhos de reabilitação contínua nas infra-estruturas de apoio à actividade marítima e portuária, bem como o processo de relançamento da cabotagem norte.

 Nesta senda, destaca a realização do concurso Internacional para a Concessão do Terminal Multiusos do Porto de Luanda que, para além de um encaixe financeiro considerável, vai permitir a entrada de um operador de dimensão e renome internacionais.

Enquanto isso, este ano, a Rede Nacional de Plataformas Logísticas viu aprovados os instrumentos jurídicos para o nascimento de jure e de facto da Agência Reguladora de Certificação de Carga e Logística de Angola (ARCCLA).

 "O Ano que agora finda, reforça a ideia que somente juntos e unidos, imbuídos num espírito de colectivo, conseguimos alcançar outros patamares que visivelmente contribuam para o bem comum", admitiu. Neste encontro foram apresentadas as linhas orientadoras do sector de 2020 para 2022.