TAAG e Turkish Airlines assinam Acordo de Code-Share

  • TAAG está a implementar seu programa de retoma gradual dos voos domésticos
Ankara (dos enviados especiais) - A Transportadora Aérea Angolana (TAAG) e a Turkish Airlines, companhia de bandeira da Turquia, celebraram quinta-feira, em Istambul, um Acordo de "Code-Share" de Transporte de Passageiros.

O Code-Share é um Acordo Comercial entre duas ou mais companhias aéreas, através do qual a detentora da aeronave ("operador" ou a operating carrier) partilha o seu código IATA e número de voo com a outra que comercializa o voo ("participante" ou marketing carrier).

Com esse instrumento jurídico, as duas empresas passam a oferecer serviços aéreos mais competitivos e escolhas mais abrangentes aos seus respectivos passageiros nacionais e internacionais. 

O Acordo de Partilha de Código (Code-Share) foi um dos dez diplomas discutidos por altura da visita de Estado do Presidente angolano, João Lourenço, à Turquia, realizada de 27 a 28 deste mês.

Nos termos do acordo ora assinado, a transportadora aérea turca permitirá que a TAAG utilize o seu código de companhia e números de voo para identificar e comercializar, ao público, serviços de transporte de passageiros programados e operados pela Turkish Airlines, para mais de 254 destinos operados pela companhia.

Por seu lado, de acordo com uma nota do Ministério dos Transportes de Angola, a TAAG permitirá que a companhia de bandeira turca utilize o seu código de companhia e números de voo, igualmente, para identificar e comercializar ao público serviços de transporte de passageiros programados e operados por si.

A Angop apurou que a Turkish Airlines prevê começar as ligações aéreas entre Istambul e Luanda e vice-versa, a partir de Outubro do ano em curso, inicialmente com duas frequências semanais.

A operação permitirá que a TAAG venda o mesmo percurso, através da parceria em partilha de código (Code-Share). 

A cooperação no âmbito comercial, entre a TAAG e a Turkish Airlines, prevê um conjunto de facilidades que devem beneficiar os passageiros nacionais e estrangeiros, as companhias aéreas e os próprios países.

Os Acordos de Code-Share entre companhias aéreas são uma prática comum da indústria de aviação civil,  muito vantajosa, já que promovem a cooperação entre as partes, permitindo a cada companhia, integrante do acordo, ampliar a oferta de destinos e oferta de lugares para os respetivos passageiros.

Benefícios para a TAAG

De acordo com a nota do Ministério dos Transportes, o acordo ajudará a TAAG a promover a sua marca num novo mercado, sem agravar os seus custos operacionais.

A companhia angolana beneficiará da conectividade entre África e Europa, Ásia e Médio Oriente, aumentará e diversificará a sua oferta de destinos, além de criar novas oportunidades comerciais.

De igual modo, terá a possibilidade de criar mais oportunidades de captação de receita, reforçar a presença no mercado e a capacidade competitiva da empresa, possibilidade de encaminhar os seus passageiros e através do seu código, para destinos na Eurásia e Ásia Oriental, através de produto e preços competitivos.

Reciprocamente, a Turkish Airlines terá a possibilidade de encaminhar o seu tráfego para a sub-região da África Austral, nomeadamente, a cidade de Maputo, Joanesburgo, Cidade do Cabo e outros destinos operados e a operar pela TAAG.

O Acordo de Code-share desencadeará um tipo de cooperaçã comercial que permitirá à TAAG comercializar outros destinos além Istambul, nomeadamente, para o mercado Europeu e Asiático, onde a Turkish Airlines tem uma presença muito forte. 

Este acordo vem também contribuir para o aumento da conectividade de Angola, concretizando a visão de constituição do Hub continental e regional, no país.

Apesar das restrições de frequências impostas às companhias aéreas, devido à pandemia da Covid-19, Angola passa a contar hoje, para além da companhia aérea de bandeira, TAAG, com os serviços de mais uma companhia área internacional, que se junta às sete já em operação no país.

No quadro deste acordo, um dos mais aguardados do "pacote" discutido pelas autoridades de Angola e da Turquia, em Ankara, os passageiros da companhia angolana poderão adquirir bilhete em moeda nacional na rede TAAG, conferindo maior oferta de destinos a preços competitivos.

Permitirá ainda a experiência de uma viagem integrada (1 único bilhete, 1 único voo até ao destino final), além de acumular milhas/pontos dos programas de Fidelidade Umbi Umbi e Star Alliance, e acesso aos lounges da Turkish Airlines nos aeroportos para e de onde opera.

Na última quarta-feira, o ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu, declarou, a respeito da abertura da rota Istambul-Luanda, que é um acordo muito positivo para os dois países e para as duas companhias aéreas, mas, acima de tudo, por ser o primeiro passo para abrir caminhos dessa cooperação estratégica.

Em relação aos custos dos bilhetes, o ministro disse que cabe ao seu pelouro apenas assegurar a existência de um alto nível de competitividade para o país.

"Não é a primeira companhia com a qual estamos a abrir as portas do nosso país, e isso permite haver várias opções para os nossos passageiros e cidadãos", afirmou.

Ricardo de Abreu disse que, depois da entrada em funções desta nova rota, ficará resolvida a questão dos custos de ligação até à Turquia, por parte dos cidadãos.

Saudou a abertura competitiva do mercado, afirmando que se pretende assegurar mais ligações e oportunidades, com base num tarifário ajustado à realidade do país.

O Code-Share é um Acordo Comercial entre duas ou mais companhias aéreas, através do qual a detentora da aeronave ("operador" ou a operating carrier) partilha o seu código IATA e número de voo com a outra que comercializa o voo ("participante" ou marketing carrier).

Com esse instrumento jurídico, as duas empresas passam a oferecer serviços aéreos mais competitivos e escolhas mais abrangentes aos seus respectivos passageiros nacionais e internacionais. 

O Acordo de Partilha de Código (Code-Share) foi um dos dez diplomas discutidos por altura da visita de Estado do Presidente angolano, João Lourenço, à Turquia, realizada de 27 a 28 deste mês.

Nos termos do acordo ora assinado, a transportadora aérea turca permitirá que a TAAG utilize o seu código de companhia e números de voo para identificar e comercializar, ao público, serviços de transporte de passageiros programados e operados pela Turkish Airlines, para mais de 254 destinos operados pela companhia.

Por seu lado, de acordo com uma nota do Ministério dos Transportes de Angola, a TAAG permitirá que a companhia de bandeira turca utilize o seu código de companhia e números de voo, igualmente, para identificar e comercializar ao público serviços de transporte de passageiros programados e operados por si.

A Angop apurou que a Turkish Airlines prevê começar as ligações aéreas entre Istambul e Luanda e vice-versa, a partir de Outubro do ano em curso, inicialmente com duas frequências semanais.

A operação permitirá que a TAAG venda o mesmo percurso, através da parceria em partilha de código (Code-Share). 

A cooperação no âmbito comercial, entre a TAAG e a Turkish Airlines, prevê um conjunto de facilidades que devem beneficiar os passageiros nacionais e estrangeiros, as companhias aéreas e os próprios países.

Os Acordos de Code-Share entre companhias aéreas são uma prática comum da indústria de aviação civil,  muito vantajosa, já que promovem a cooperação entre as partes, permitindo a cada companhia, integrante do acordo, ampliar a oferta de destinos e oferta de lugares para os respetivos passageiros.

Benefícios para a TAAG

De acordo com a nota do Ministério dos Transportes, o acordo ajudará a TAAG a promover a sua marca num novo mercado, sem agravar os seus custos operacionais.

A companhia angolana beneficiará da conectividade entre África e Europa, Ásia e Médio Oriente, aumentará e diversificará a sua oferta de destinos, além de criar novas oportunidades comerciais.

De igual modo, terá a possibilidade de criar mais oportunidades de captação de receita, reforçar a presença no mercado e a capacidade competitiva da empresa, possibilidade de encaminhar os seus passageiros e através do seu código, para destinos na Eurásia e Ásia Oriental, através de produto e preços competitivos.

Reciprocamente, a Turkish Airlines terá a possibilidade de encaminhar o seu tráfego para a sub-região da África Austral, nomeadamente, a cidade de Maputo, Joanesburgo, Cidade do Cabo e outros destinos operados e a operar pela TAAG.

O Acordo de Code-share desencadeará um tipo de cooperaçã comercial que permitirá à TAAG comercializar outros destinos além Istambul, nomeadamente, para o mercado Europeu e Asiático, onde a Turkish Airlines tem uma presença muito forte. 

Este acordo vem também contribuir para o aumento da conectividade de Angola, concretizando a visão de constituição do Hub continental e regional, no país.

Apesar das restrições de frequências impostas às companhias aéreas, devido à pandemia da Covid-19, Angola passa a contar hoje, para além da companhia aérea de bandeira, TAAG, com os serviços de mais uma companhia área internacional, que se junta às sete já em operação no país.

No quadro deste acordo, um dos mais aguardados do "pacote" discutido pelas autoridades de Angola e da Turquia, em Ankara, os passageiros da companhia angolana poderão adquirir bilhete em moeda nacional na rede TAAG, conferindo maior oferta de destinos a preços competitivos.

Permitirá ainda a experiência de uma viagem integrada (1 único bilhete, 1 único voo até ao destino final), além de acumular milhas/pontos dos programas de Fidelidade Umbi Umbi e Star Alliance, e acesso aos lounges da Turkish Airlines nos aeroportos para e de onde opera.

Na última quarta-feira, o ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu, declarou, a respeito da abertura da rota Istambul-Luanda, que é um acordo muito positivo para os dois países e para as duas companhias aéreas, mas, acima de tudo, por ser o primeiro passo para abrir caminhos dessa cooperação estratégica.

Em relação aos custos dos bilhetes, o ministro disse que cabe ao seu pelouro apenas assegurar a existência de um alto nível de competitividade para o país.

"Não é a primeira companhia com a qual estamos a abrir as portas do nosso país, e isso permite haver várias opções para os nossos passageiros e cidadãos", afirmou.

Ricardo de Abreu disse que, depois da entrada em funções desta nova rota, ficará resolvida a questão dos custos de ligação até à Turquia, por parte dos cidadãos.

Saudou a abertura competitiva do mercado, afirmando que se pretende assegurar mais ligações e oportunidades, com base num tarifário ajustado à realidade do país.