TAAG homenageia colaboradores envolvidos em voos humanitários

  • Avião da Taag Durante o embarque de passageiros
 Luanda - A TAAG - Linhas Aéreas de Angola, atribuiu, nessa terça-feira, certificados de mérito aos seus colaboradores que, em 2020, trabalharam durante a pandemia da Covid-19, na presença do ministro dos Transportes, Ricardo D'Abreu. 

 A TAAG, numa primeira fase, chegou a realizar cerca de 30 voos humanitários de transporte de carga para o exterior e o interior do país, de modo a garantir a movimentação de bens essenciais, como alimentação, equipamentos médicos e medicamentos, essencialmente.

Tambem realizou 30 voos humanitários de transporte de passageiros, solicitados pelo Governo, para apoiar angolanos e estrangeiros residentes em Angola a retornarem ao país. 

Dirigindo-se aos trabalhadores, o presidente da Comissão Executiva da TAAG, Rui Carreira, afirmou que foi pela dedicação dos mais de 2.801 colaboradores  em Angola e nas representações no estrangeiro, que se permitiu o sucesso dos planos de voos para este fim. 

Rui Carreira disse acreditar que, para este ano de 2021, com empenho, o comprometimento e a colaboração de todos, a companhia nacional de bandeira poderá engendrar as mudanças necessárias para conseguir consolidar-se na liderança e crescer de forma sustentável. 

O presidente da comissão executiva da operadora admite que 2020 foi difícil, com muitos desafios e dificuldades, devido à pandemia do novo coronavírus, que afectou milhões de famílias e empresas, e que  impactou, duramente o sector aeronáutico em todo o mundo.

“Creio que para a TAAG foi um ano necessário, para estarmos conscientes de que se quisermos sobreviver e crescer, precisamos mudar os nossos hábitos, o nosso comportamento e a nossa gestão, de modo a melhorar os nossos serviços", defendeu.

Fluxo de passageiros

O número de passageiros nos voos nacionais e internacionais reduziu de três milhões 461 mil e 634, em 2019, para 124 mil e 749, no ano passado, uma queda anual de cerca de 3.500%  ou de 3,3 milhões de viajantes, segundo um relatório da Autoridade Nacional da Aviação Civil (INAVIC), publicado pelo Jornal de Angola, numa das suas edições. 

O documento salienta que os aeroportos nacionais registaram, no período de 27 de Março a 31 de Dezembro último, 246 voos humanitários, 137 regulares, 10 extraordinários e 527 de privado internacional. 

O volume de carga transportada ascendeu para 11 milhões 273 mil e 306 toneladas, de Março a Dezembro de 2020, contra as 40.627 de 2019, quando a movimentação de carga nos aeroportos e aeródromos diminuiu 8,6 por cento face ao igual período de 2018, correspondendo a uma queda de três mil e 827 toneladas.

O mês de Junho de 2020 foi o que registou maior volume de cargas transportadas, com 1,5 milhões de toneladas, seguido por Outubro, com 1,4 toneladas, enquanto, com menos carga, figuram os meses de Março e Dezembro, com 243 mil e 129 e 383 mil e 448 toneladas, respectivamente.

 A TAAG, numa primeira fase, chegou a realizar cerca de 30 voos humanitários de transporte de carga para o exterior e o interior do país, de modo a garantir a movimentação de bens essenciais, como alimentação, equipamentos médicos e medicamentos, essencialmente.

Tambem realizou 30 voos humanitários de transporte de passageiros, solicitados pelo Governo, para apoiar angolanos e estrangeiros residentes em Angola a retornarem ao país. 

Dirigindo-se aos trabalhadores, o presidente da Comissão Executiva da TAAG, Rui Carreira, afirmou que foi pela dedicação dos mais de 2.801 colaboradores  em Angola e nas representações no estrangeiro, que se permitiu o sucesso dos planos de voos para este fim. 

Rui Carreira disse acreditar que, para este ano de 2021, com empenho, o comprometimento e a colaboração de todos, a companhia nacional de bandeira poderá engendrar as mudanças necessárias para conseguir consolidar-se na liderança e crescer de forma sustentável. 

O presidente da comissão executiva da operadora admite que 2020 foi difícil, com muitos desafios e dificuldades, devido à pandemia do novo coronavírus, que afectou milhões de famílias e empresas, e que  impactou, duramente o sector aeronáutico em todo o mundo.

“Creio que para a TAAG foi um ano necessário, para estarmos conscientes de que se quisermos sobreviver e crescer, precisamos mudar os nossos hábitos, o nosso comportamento e a nossa gestão, de modo a melhorar os nossos serviços", defendeu.

Fluxo de passageiros

O número de passageiros nos voos nacionais e internacionais reduziu de três milhões 461 mil e 634, em 2019, para 124 mil e 749, no ano passado, uma queda anual de cerca de 3.500%  ou de 3,3 milhões de viajantes, segundo um relatório da Autoridade Nacional da Aviação Civil (INAVIC), publicado pelo Jornal de Angola, numa das suas edições. 

O documento salienta que os aeroportos nacionais registaram, no período de 27 de Março a 31 de Dezembro último, 246 voos humanitários, 137 regulares, 10 extraordinários e 527 de privado internacional. 

O volume de carga transportada ascendeu para 11 milhões 273 mil e 306 toneladas, de Março a Dezembro de 2020, contra as 40.627 de 2019, quando a movimentação de carga nos aeroportos e aeródromos diminuiu 8,6 por cento face ao igual período de 2018, correspondendo a uma queda de três mil e 827 toneladas.

O mês de Junho de 2020 foi o que registou maior volume de cargas transportadas, com 1,5 milhões de toneladas, seguido por Outubro, com 1,4 toneladas, enquanto, com menos carga, figuram os meses de Março e Dezembro, com 243 mil e 129 e 383 mil e 448 toneladas, respectivamente.