Vandalismo deixa 11 aldeias sem água na Jamba

  • Huíla: Sistema de água na Chibia
Lubango - Pelo menos 11 aldeias das comunas sede e Dongo, no município da Jamba, província da Huíla, estão privadas de água potável em consequência da vandalização de pequenos sistemas de captação.

Ao todo estão afectados mais de 30 mil habitantes. Dos 21 pequenos e médios sistemas de captação de água construídos pela administração municipal nos últimos cinco anos, apenas dez estão em funcionamento.

Os actos de vandalização dos sistemas de água nas duas comunas são recorrentes, o mais recente aconteceu na semana finda em que cidadãos por identificar roubaram as electro-bombas e dos paneis foto-voltaicos que suportam a captação.

A situação deixa agastada a população que por causa disso é obrigada a percorrer de cinco a 15 quilómetros para encontrar água, disse o soba grande do município, Ernesto Hungulo.

Declarou estarem a colaborar com as autoridades policiais e administrativas para que sejam detidos os culpados.

Já o director municipal de Energia e Águas, Francisco Fernandes, disse que trabalham já com o comando da Polícia Nacional da Jamba para identificação e responsabilização criminal dos prevaricadores.

Segundo ele, os actos de vandalismo ganham proporções alarmantes e os sistemas de água têm sido o alvo.

Apelou as comunidades a estarem a mais vigilantes e cultivar o hábito de denúncias sempre que depararem-se com situação do género na sua comunidade.

A comuna do Dongo tem uma população estimada em mais de 45 mil habitantes, enquanto a sede tem 30 mil.

Ao todo estão afectados mais de 30 mil habitantes. Dos 21 pequenos e médios sistemas de captação de água construídos pela administração municipal nos últimos cinco anos, apenas dez estão em funcionamento.

Os actos de vandalização dos sistemas de água nas duas comunas são recorrentes, o mais recente aconteceu na semana finda em que cidadãos por identificar roubaram as electro-bombas e dos paneis foto-voltaicos que suportam a captação.

A situação deixa agastada a população que por causa disso é obrigada a percorrer de cinco a 15 quilómetros para encontrar água, disse o soba grande do município, Ernesto Hungulo.

Declarou estarem a colaborar com as autoridades policiais e administrativas para que sejam detidos os culpados.

Já o director municipal de Energia e Águas, Francisco Fernandes, disse que trabalham já com o comando da Polícia Nacional da Jamba para identificação e responsabilização criminal dos prevaricadores.

Segundo ele, os actos de vandalismo ganham proporções alarmantes e os sistemas de água têm sido o alvo.

Apelou as comunidades a estarem a mais vigilantes e cultivar o hábito de denúncias sempre que depararem-se com situação do género na sua comunidade.

A comuna do Dongo tem uma população estimada em mais de 45 mil habitantes, enquanto a sede tem 30 mil.