Angola pode beneficiar de USD 100 milhões para projecto de gestão de fogo

  • Vista panorâmica do Parque Nacional da Quiçama
Luanda - Angola pode ter um benefício de cem milhões de dólares norte americanos, no final da implementação do projecto de "Gestão Sustentável de Fogos" (em elaboração), que culminará com a entrada do país no “mercado do carbono derivado das queimadas florestais”.

A informação foi avançada, hoje, pela representante da FAO em Angola, Gherda Barreto, sublinhando que, dentre outros objectivos, o referido projecto visa aproveitar melhor os recursos florestais, convertendo queimadas em benefícios para as comunidades.

De acordo com a ponto focal do Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, para o sucesso da intenção, em princípio estão identificadas as províncias com maiores incidências de incêndios, como Malanje, Moxico e Cuando Cubango.

Ao dissertar na capital angolana sobre num workshop sobre o assunto, Gherda Barreto, explicou que o país está, entre os maiores no que toca a actividade de incêndios na África Subsaariana, situação que pode ser invertida com novas formas de investimento.

Os resultados deste encontro técnico e todo o trabalho realizado neste ano serão parte da informação a ser apresentada ao Conselho Directivo do “Fundo Verde do Clima”, em Abril de 2022, para o provável financiamento de 100 milhões de dólares.

Deste modo, prosseguiu, o projecto vai identificar soluções baseadas na natureza e aproveitar o grande potencial de Angola para a redução de emissões de gases de efeito estufa e, consequentemente, gerar “Créditos de Carbono”.

“As queimadas e incêndios florestais provocados pelas comunidades estão ligadas à produção de carvão e lenha, agricultura e à caça, e produzem emissões significativas com graves consequências para o ambiente e biodiversidade”, ressaltou.

Gherda Barreto garantiu continuar a fazer acompanhamento técnico aos desafios ambientais e climáticos do país com a melhor experiência nacional e internacional de forma a promover a gestão sustentável dos recursos florestais.

A FAO é uma agência acreditada no Fundo Verde do Clima para projectos de tamanho médio até 250 milhões de USD, ao passo que o referido fundo é o maior instrumento para o financiamento de projectos de mitigação e adaptação às alterações climáticas.

O workshop sobre a "Proposta de Gestão Sustentável de Fogos” é parte da preparação do referido projecto de Gestão Sustentável de Fogos, e decorreu no âmbito do projecto do “Fundo Verde do Clima" da FAO. Esse processo vai de Abril de 2021 a Abril de 2022.

A informação foi avançada, hoje, pela representante da FAO em Angola, Gherda Barreto, sublinhando que, dentre outros objectivos, o referido projecto visa aproveitar melhor os recursos florestais, convertendo queimadas em benefícios para as comunidades.

De acordo com a ponto focal do Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, para o sucesso da intenção, em princípio estão identificadas as províncias com maiores incidências de incêndios, como Malanje, Moxico e Cuando Cubango.

Ao dissertar na capital angolana sobre num workshop sobre o assunto, Gherda Barreto, explicou que o país está, entre os maiores no que toca a actividade de incêndios na África Subsaariana, situação que pode ser invertida com novas formas de investimento.

Os resultados deste encontro técnico e todo o trabalho realizado neste ano serão parte da informação a ser apresentada ao Conselho Directivo do “Fundo Verde do Clima”, em Abril de 2022, para o provável financiamento de 100 milhões de dólares.

Deste modo, prosseguiu, o projecto vai identificar soluções baseadas na natureza e aproveitar o grande potencial de Angola para a redução de emissões de gases de efeito estufa e, consequentemente, gerar “Créditos de Carbono”.

“As queimadas e incêndios florestais provocados pelas comunidades estão ligadas à produção de carvão e lenha, agricultura e à caça, e produzem emissões significativas com graves consequências para o ambiente e biodiversidade”, ressaltou.

Gherda Barreto garantiu continuar a fazer acompanhamento técnico aos desafios ambientais e climáticos do país com a melhor experiência nacional e internacional de forma a promover a gestão sustentável dos recursos florestais.

A FAO é uma agência acreditada no Fundo Verde do Clima para projectos de tamanho médio até 250 milhões de USD, ao passo que o referido fundo é o maior instrumento para o financiamento de projectos de mitigação e adaptação às alterações climáticas.

O workshop sobre a "Proposta de Gestão Sustentável de Fogos” é parte da preparação do referido projecto de Gestão Sustentável de Fogos, e decorreu no âmbito do projecto do “Fundo Verde do Clima" da FAO. Esse processo vai de Abril de 2021 a Abril de 2022.